O Município de Lagoa e a Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas assinaram, no dia de ontem, a declaração de compromisso para adaptação e mitigação das alterações climáticas, propondo-se o Município a implementar medidas no setor das águas, entre as quais se destacam as relacionadas com a economia circular e com a melhoria da eficiência energética, hídrica e do aproveitamento dos recursos naturais, com o objetivo de diminuir a pegada de carbono.

O Município de Lagoa assumiu ontem o compromisso de impulsionar os esforços necessários para a Adaptação e a Mitigação às Alterações Climáticas, em particular no que se refere aos serviços de águas, para garantia das gerações futuras. Não obstante todo o trabalho já desenvolvido até à data, o Município de Lagoa acredita que poderá fazer mais e melhor, estando empenhado em ir mais longe no seu dever de apoiar, propor e operacionalizar estratégias e medidas para o combate à emergência climática.

Depois de no dia 21 de março o Município de Lagoa ter lançado uma campanha de consciencialização, denominada “De que lado quer viver”, acompanhada de fotos que chamam atenção para a seca extrema, para a necessidade de poupar água e de ter colocado em prática medidas concretas de redução do consumo de água, vem agora reforçar o compromisso de continuar alinhado com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, declarados pela ONU, para a agenda 2030.

O Município de Lagoa considera de importância capital que os seus serviços possam contribuir para uma sociedade desenvolvida, igualitária e solidária, que contribuirá para um planeta terra mais sustentável. Assim, o Município pretende promover o cumprimento deste direito humano à água e saneamento para as próximas gerações, a quem o impacto das alterações climáticas afetará de maneira considerável.

A estratégia de luta contra as alterações climáticas e a descarbonização da economia impulsionada pela Comissão Europeia, é um marco apropriado para promover políticas que favoreçam o desenvolvimento sustentável nos diferentes países integrantes da União Europeia. Aliado ao conhecimento e experiência que já existe para diagnosticar e prever os impactos que se geram na disponibilidade de água, faz com que os municípios tenham que adotar estratégicas à Adaptação às Alterações Climáticas.

Mais recentemente, o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), de âmbito nacional, considera a Dimensão da Transição Climática assente em três pilares indissociáveis dos serviços de abastecimento e saneamento. O Município de Lagoa considera estes instrumentos, e suas evoluções, pilares fundamentais para dar suporte a uma transição ecológica justa, competitiva e inclusiva.

“É curioso e simbólico celebrarmos esta declaração de compromisso no dia mundial da criança. Pois, é exatamente por elas e pelas futuras gerações que assumimos o compromisso de tornar o planeta Terra num local sustentável”, afirmou Luís Encarnação, Presidente da Câmara Municipal de Lagoa.