A decisão do governo de não realização de grandes eventos e a prioridade à segurança em Lagoa justificam o adiamento da FATACIL para o próximo ano.

Na sequência da decisão do Governo de «proibição da realização de festivais de música e espetáculos de natureza análoga», e após reunião do conselho da AMAL realizada no passado dia 11 de maio, a Câmara Municipal de Lagoa, entidade organizadora da FATACIL, decidiu adiar o grande evento de verão no Algarve para o ano que vem.

A 41ª edição da FATACIL já tem nova data marcada. Vai realizar-se entre os dias 20 e 29 de agosto do próximo ano de 2021.

Depois da FATACIL de 2019 ter recebido cerca de 195 mil pessoas, 800 expositores, e uma receita de bilheteira recorde, estava já em curso a preparação de uma edição digna da trajetória ascendente que este evento tem vindo a conseguir nas suas últimas edições.

Mas, «a segurança dos lagoenses, dos algarvios, e de quem nos visita, está em primeiro lugar. Por isso adiamos a FATACIL deste ano para 2021» afirmou o presidente do Município, no momento da decisão.

Luís Encarnação voltou a repetir que «ganhámos uma batalha, mas ainda não ganhámos a guerra do COVID-19», pelo que em Lagoa estão adiados todos os eventos âncora previstos para este verão de 2020. Já os de menor dimensão continuarão a ser avaliados criteriosamente.

Uma vez que no contexto da pandemia em curso continuam a ser renovadas as recomendações de cuidados de proteção individual e comunitária, entre as quais o uso de máscara, a distância física entre as pessoas e a contenção nas deslocações, Luís Encarnação salienta que «a realização de um evento com a dimensão e características da FATACIL não se coaduna com a observação destas medidas que se deverão prolongar até data ainda desconhecida».