Luís Encarnação, presidente da Câmara de Lagoa, aponta o objetivo das energias renováveis e acessíveis como prioridade no ano da sustentabilidade. Mas adianta que os investimentos nesta área são de médio e longo prazo, e não apenas para 2020.

 

Ascende já a perto dos 500 mil euros a verba investida em energias renováveis, eficiência energética em edifícios municipais e iluminação pública, no concelho de Lagoa, entre 2015 e 2019. As energias renováveis e acessíveis são um dos dez objetivos de desenvolvimento sustentável (OD’s) com que o Município de Lagoa está comprometido.

Este investimento permitiu, entre outras medidas, instalar nalguns edifícios da responsabilidade do Município, unidades de produção de energia a partir de fontes renováveis, (neste caso o sol). Exemplos dos pontos de instalação de centrais de produção são o Auditório Carlos do Carmo, as Piscinas Municipais de Lagoa e algumas escolas.

Em 2020 está prevista a instalação de mais uma nova central de produção elétrica que deverá custar cerca de 65 mil euros.

Só o investimento em eficiência energética, que implicou a substituição direta de aparelhos de iluminação nas naves desportivas de Ferragudo e do Pavilhão Jacinto Correia, bem como de duas escolas em Lagoa, uma no Parchal e outra em Estômbar, soma cerca de 135 mil euros.

A substituição de fontes de iluminação pública por soluções LED, aconteceu já em cerca de 3 mil dos 12.500 pontos de iluminação pública existentes no concelho.  Em 2020 deverão ser substituídas mais 832 luminárias. Contudo, o investimento em curso mais exigente e que está a merecer mais atenção da parte das equipas municipais no terreno, é o da avaliação das necessidades de cada rua ou local a iluminar, de modo a conseguir ao mesmo tempo melhorar a iluminação e poupar energia.

O planeamento do Município de Lagoa prevê investimentos anuais consecutivos nesta área entre 2015 e 2025. As políticas locais para a sustentabilidade juntam à necessidade de energias renováveis e acessíveis, a preservação dos recursos naturais e do equilíbrio ecológico.

«Lagoa, cidade sustentável, apresentada no inicio de 2020 concretiza-se com investimentos de médio e longo prazo, específicos para cada um dos dez ODS’s eleitos como prioritários para este concelho, entre os dezassete apontados pela ONU», afirmou Luís Encarnação durante uma visita recente às obras em curso.  

O objetivo das energias renováveis, o sétimo dos 17 OD’s estabelecidos pela ONU, é um dos considerados como prioritários pelo executivo municipal de Lagoa, já que lida com consequências ambientais diretas, mas também com significativos impactos económicos e sociais.