Estamos perante um mundo que se encontra a sofrer mudanças tão rápidas que se torna fundamental que as próprias escolas, currículos e pedagogias reflitam e acompanhem essa dinâmica. Neste sentido, os atores-chave educativos, desde o governo, autarquias, direções escolares, até aos professores que trabalham nas escolas, procuram frequentemente na inovação novas respostas para problemas antigos.

A Câmara Municipal de Lagoa, sensível e alerta para estas mudanças, e confrontada com as necessidades emergentes do concelho, abriu as portas do município para uma intervenção conjunta entre as áreas da educação, arquitetura e engenharia, rumo ao desenvolvimento e implementação de uma Escola Aprender+, promotora de sucesso e de qualidade das aprendizagens de todos os alunos, num ambiente inovador, flexível, autónomo e inclusivo.

 

 

Missão

O projeto Escola Aprender+: Ambientes educadores inovadores, surge como proposta de investigação-ação-intervenção, cujo objetivo central se prende com a promoção do sucesso de todos com todos, através do desenvolvimento de uma cultura de autonomia, flexibilidade e inclusão, potenciadora de aprendizagens de qualidade e alinhadas com as necessidades atuais e futuras dos alunos e do município.

Considerando o papel que a tecnologia e as ferramentas digitais gradualmente vão desempenhando no quotidiano escolar e das comunidades, este projeto alia o desafio tecnológico ao pedagógico, potenciando o desenvolvimento de uma escola “transformadora” desde a estratégia até à metodologia. 

 

Com quem?

O projeto “Escola Aprender+: Ambientes educadores inovadores” irá ser desenvolvido com toda a comunidade educativa do Concelho de Lagoa.

 

 

 

Decorrerá em Lagoa, nos próximos dias 9 e 10 de novembro, o Encontro Regional de Cultura e Educação Permanente, SABERES EM FESTA, fruto de uma parceria constituída, no segundo ano consecutivo pelo Município de Lagoa (Algarve) pela Associação Portuguesa para a Cultura e Educação Permanente (APCEP),pela Direção de Serviços da Região do Algarve (Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares) e Universidade do Algarve.

SABERES EM FESTA, terá lugar nos espaços culturais do Auditório Carlos do Carmo e no edifício histórico do Convento de S. José, oferecendo momentos de participação diversificada como workshops, debates, exposições, mostras, espetáculos, num ambiente de aprendizagem, convívio e animação, em que se procura a promoção da cultura e da educação para todos, em todas as idades e contextos da vida social.

Tal como no ano transato, SABERES EM FESTA 2018 pretende reunir as muitas organizações e iniciativas que, enquanto frutos do dinamismo e do empenho cívico da sociedade algarvia, fomentam a curiosidade, a confiança, a vontade de saber mais e capacitam para a criação ou fruição de obras culturais: atividades de natureza cívica, socioeconómica, científica, artística, ambiental, desportiva ou recreativa; projetos que decorrem em instituições de promoção cultural e educativa para todos, (por exemplo, bibliotecas, museus, universidades seniores); iniciativas de ligação de escolas, centros de formação ou universidades à comunidade em geral.

As propostas de participação deverão ser inscritas preferencialmente até 20 de julho de 2018, no formulário.

Quaisquer esclarecimentos adicionais ou no apoio à formulação de candidaturas poderá usar o endereço  ou o contacto telefónico 282 380434.

 

 

O VIII Congresso Nacional das Cidades Educadoras inscritas na Associação Internacional de Cidades Educadoras (AICE), irá decorrer entre 15 e 18 de maio, no Centro de Congressos do Arade em Lagoa do Algarve.

O programa deste Congresso pretende reforçar e valorizar três dimensões distintas, que concorrem em diferentes patamares para a realidade das nossas cidades: a política, a técnica e a da investigação académica.

Para refletir e afirmar estas dimensões, o programa prevê como pontos altos do VIII Congresso Nacional, duas mesas de autarcas, nos dias 15 e 17 de maio, a participação de conferencistas de prestígio nacional e internacional que trarão a debate os temas “Criar (na) Cidade”, “Periferias” e “Cidades e redes”, bem como, a apresentação de estudos académicos de Instituições de Ensino Superior.

De sublinhar ainda que este será o primeiro Congresso Nacional da Rede Territorial das Cidades Educadoras que contará com jovens vindos de todo o território nacional e ilhas que terão a oportunidade de participar em diversas atividades e que serão envolvidos no processo de criação de propostas que melhorem as nossas cidades e a nossa sociedade.

Mostrando-se essencial capacitar os jovens para que estes se tornem agentes ativos e dinamizadores das suas comunidades, este será o espaço ideal para refletir os territórios, identificando as suas oportunidades e desafios e partilhar com os seus pares, ideias e experiências para potenciar as mesmas.

O Congresso reserva ainda espaço para um programa cultural a decorrer no dia 18 de maio, o percurso performativo “Um Rio… de Encontro ao Mar”, que convida os participantes a conhecer a identidade de alguns locais de Lagoa através de uma viagem pelas memórias, lendas, contos e espíritos enraizados no imaginário coletivo.



 

 

 

CONFERENCISTAS 


Carlos Fortuna
  Carlos Fortuna
FEUC

  Biografia do Carlos Fortuna   Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre     

 

 
Inês de Oliveira
  Inês Guedes de Oliveira
Universidade de Aveiro

  Biografia do Inês de Oliveira   Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre    
 
Paulo Dias
  Paulo Dias
Reitor UAB

  Biografia do Paulo Dias   Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre    
         

Jaqueline Moll
  Jaqueline Moll
UF do Rio Grande

  Biografia da Jaqueline Moll   Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre    

 

 
Alberto Salume
  Alberto Salume
Prefeitura de Vitória

  Biografia do Alberto Salume    Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre     
 
Rosa Maria Coutinho
  Rosa Maria Coutinho
UNICEF Portugal

  Biografia do Alberto Salume    Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre     

 

 

Numa sociedade em constante e acelerada mudança, a educação de crianças e jovens torna-se cada vez mais um desafio que deve ser partilhado entre todos: famílias, escolas e comunidade em geral. Criar as condições necessárias para que essas crianças e jovens desenvolvam as suas potencialidades requer uma pluralidade de olhares, do ponto de vista científico e profissional, sendo fundamental a promoção de encontros que contribuam para a partilha de experiências, de conhecimentos e de novas perspetivas sobre o desenvolvimento infantil e juvenil.

Nesse sentido, comprometida com o seu papel enquanto agente educador, impulsionador e criador de estratégias que promovam o desenvolvimento holístico das suas crianças e jovens, a Câmara Municipal de Lagoa propõe-se a organizar um dia de reflexão que aborde, além das competências cognitivas - com enfoque na aprendizagem da leitura e escrita - a importância do desenvolvimento das competências emocionais para a aprendizagem em contexto educativo e da promoção da capacidade de reflexão, questionamento e resolução de problemas na formação de crianças e jovens com pensamento crítico, criativo e intuitivo.

Ainda no âmbito da leitura, e em torno dos livros e das histórias, pretende-se com este Colóquio refletir sobre como criar experiências de literacia (emergente) para todos, de forma a tornar a promoção da leitura acessível aos diversos perfis de leitores, isto é, a qualquer pessoa. Destacam-se ainda no programa deste dia, os benefícios da leitura em voz alta para o desenvolvimento infantil com a apresentação de um projeto de biblioterapia em unidades de neonatologia e o conceito de parentalidade positiva, enquanto promotor de relações saudáveis entre pais, mães e filhos.

Reforçando o sentido de partilha de experiências e a aquisição de conhecimentos e competências, e com o objetivo de contribuir para a melhoria das práticas pedagógicas dos participantes, na parte da tarde propõe-se ainda a realização de um conjunto de workshops subordinados às temáticas da comunicação para todos, das dificuldades na aprendizagem da leitura e escrita e da filosofia para crianças e jovens.

 

 PROGRAMA COMPLETO 

 

PALESTRANTES 


Lourdes Mata
  Lourdes Mata
ISP - Instituto Universitário
nota biográfica
  Vídeo Lourdes Mata   Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre    

 

 
Patrícia Constante
  Patrícia Constante
CM Matosinhos
nota biográfica
  Vídeo Lourdes Mata   Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre   Workshop Lourdes Mata
 
João Canossa Dias
  João Canossa Dias
ARCIL
nota biográfica
      Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre   Workshop Lourdes Mata
         

Sandra Barão Nobre
  Sandra Barão Nobre
Abiblioterapeuta.com
nota biográfica
  Vídeo Lourdes Mata   Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre    
 
Dina Mendonça
  Dina Mendonça
IFILNOVA, NOVA FCSH, UNL
nota biográfica
      Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre   Workshop Lourdes Mata
 
Magda Gomes Dias
  Magda Gomes Dias
EPPEP | Blog Mum's the boss
nota biográfica
  Vídeo Lourdes Mata  

Sinopse da conferência Sandra Barão Nobre

 
         

Patrícia Constante
  Maria Helena Horta
ESEC Universidade do Algarve
nota biográfica
  Vídeo Lourdes Mata
       
     

 

 

 

 

O Prémio Maria Barroso é uma iniciativa da Câmara Municipal de Lagoa do Algarve numa parceria com o Grupo Vila Vita, cuja designação se inspira no nome de uma mulher algarvia, portuguesa e europeia, que se distinguiu no seu tempo por uma intensa participação cívica, democrática e cultural. O Prémio Maria Barroso é uma iniciativa da Câmara Municipal de Lagoa do Algarve numa parceria com o Grupo Vila Vita, cuja designação se inspira no nome de uma mulher algarvia, portuguesa e europeia, que se distinguiu no seu tempo por uma intensa participação cívica, democrática e cultural.

O Prémio Maria Barroso pretende distinguir contributos relevantes de mulheres e de homens para a construção e valorização da igualdade, género e cidadania no mundo contemporâneo e em particular no Sul em que nos inscrevemos.
Com a atribuição deste prémio o Município de Lagoa do Algarve pretende, simultaneamente sublinhar o papel dos governos locais e de outras instituições públicas e privadas, na promoção e implementação de práticas de cidadania, de igualdade e de participação de todas e todas nos territórios e contextos em que intervêm.

O Prémio Maria Barroso será concedido, bianualmente à pessoa que durante esse período e na sequência de uma atividade anterior – tiver sido protagonista de uma intervenção particularmente relevante para a eliminação de estereótipos, para a construção social da igualdade, da cidadania e da não discriminação.

Esta intervenção a premiar pode revelar-se na forma de uma ação com grande impacto positivo e reconhecimento público, ou numa sucessão de ações que consubstancie um percurso destacado na área da não discriminação, da promoção da igualdade de género e cidadania.

 


Natural de Elvas, 68 anos, casada, duas filhas, duas netas e dois netos.

Licenciada em Direito, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Atualmente é membro do Grupo Técnico Científico do Conselho Consultivo da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG), do Centro Interdisciplinar de Estudos de Género (CIEG) integrado no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa e de várias Organizações Não Governamentais, designadamente da Associação Portuguesa de Mulheres Juristas (APMJ), da Associação de Estudos sobre as Mulheres (APEM), da Mulher Migrante - Associação de Estudo, Cooperação e Solidariedade, colaborando com outras, designadamente com a Associação para o Desenvolvimento das Mulheres Ciganas Portuguesas (AMUCIP) e a Plataforma Portuguesa para os Direitos das Mulheres (PPDM).

No domínio da igualdade entre mulheres e homens, é formadora, oradora em seminários e iniciativas afins, autora de referenciais de formação e de artigos de opinião e em revistas da especialidade.

 

EXERCEU FUNÇÕES COMO:

- Representante de Portugal no Conselho de Administração e no Fórum de Peritas/os do Instituto Europeu para a Igualdade de Género (EIGE);

- Secretária de Estado para a Igualdade no XIV Governo Constitucional;

- Presidente da Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE);

- Adjunta do Secretário de Estado das Comunidades Portuguesas no XIII Governo Constitucional;

- Membro de delegações portuguesas a diversas reuniões internacionais a nível bilateral, multilateral, comunitário e, posteriormente, da União Europeia, no domínio da igualdade entre homens e mulheres, das migrações internacionais e do apoio às comunidades portuguesas no estrangeiro;

- Membro da Coordenação Nacional, sediada no Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), da Iniciativa Comunitária NOW (Novas Oportunidades para Mulheres)

- Membro dos Comités Consultivo e Técnico da Comissão Europeia respetivamente, para a Livre Circulação de Trabalhadores e para a Igualdade entre Homens e Mulheres;

- Vice-Presidente da Comissão para a Igualdade e para os Direitos das Mulheres (CIDM), a que sucedeu a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG);

- Jurista na Secretaria – Geral da Presidência da República;

- Técnica e Dirigente no Instituto de Emigração e das Comunidades Portuguesas e na Direção- Geral dos Assuntos Consulares e Comunidades Portuguesas (DGACCP) que lhe sucedeu, no Ministério dos Negócios Estrangeiros.

 

FOI TAMBÉM:
- Membro do Conselho de Administração da Fundação Cuidar o Futuro;

- Membro do Conselho Geral do ISCTE — Instituto Universitário de Lisboa - ISCTE-IUL;

- Membro do Fórum Educação para a Cidadania;

- Cocoordenadora do Curso de Pós-Graduação em Direito da Igualdade de Género, organizado pelo Centro de Direito da Família da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra;

- Representante em Portugal da Rede Europeia “Iniciativas Locais de Emprego para Mulheres”.

Neste amplo espetro de funções, exercidas com dedicação, inteligência, saber e independência tanto em instituições públicas como em organizações da sociedade civil, Maria do Céu da Cunha Rêgo deixou marca assinalável pelo seu exemplar sentido de serviço público e de cidadania.

Muito empenhada na construção de um Portugal mais igualitário, teve intervenção fundamental em avanços nas políticas de igualdade de mulheres e homens, consagrados no quadro jurídico nacional e europeu. Cabe destacar alguns desses contributos:

- pode afirmar-se que foi sob a sua presidência que a Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego rompeu com a letargia em que subsistiu durante os mais de vinte anos antecedentes, tendo sido lançadas importantes iniciativas, nomeadamente a da dinamização da formação de agentes estratégicos do mundo do trabalho e da justiça e a da sensibilização para a conciliação da vida familiar e profissional (a Maria do Céu opõe-se a que se inclua aqui a vida pessoal que, na sua opinião, deve estar incluída no tempo de não-trabalho a que todas as pessoas devem ter direito, e não apenas aquelas que têm responsabilidades familiares…); foi resultado do seu empenho, a consagração no Conselho Europeu de Lisboa, a adoção da RESOLUÇÃO DO CONSELHO E DOS MINISTROS DO EMPREGO E DA POLÍTICA SOCIAL relativa à participação equilibrada das mulheres e dos homens na atividade profissional e na vida familiar (Resolução n.º 2000/C 218/02, de 29 de Junho de 2000), repetidamente mencionada como inspiração e fundamento de outros instrumentos de política na área da igualdade de género.

- a ela se deve o grande impulso para o alargamento dos direitos laborais associados à paternidade (diga-se paternidade e não parentalidade, termo de que ela discorda…), pois foi, enquanto Secretária de Estado para a Igualdade no XIV Governo Constitucional, que lançou a proposta de tornar obrigatória a licença de paternidade de 5 dias úteis no primeiro mês de nascimento da criança (embora a publicação da lei tenha sido garantida já pelo governo seguinte); a forte defesa dos direitos associados à paternidade ocupa um lugar estratégico no pensamento e em toda a ação de Maria do Céu da Cunha Rêgo, na consciência de que homens e mulheres só têm a ganhar na sua vida familiar e profissional com a plena partilha das responsabilidades familiares;

- pautada por uma personalidade democrática e proactiva cria nos coletivos em que se insere uma dinâmica de profícua colaboração e de bem-estar.

- dotada de excecionais dotes de comunicação, tem a capacidade de transmitir com grande eficácia as suas ideias e profundos conhecimentos sobre o direito da igualdade, tanto português como europeu, com grande proveito de audiências tocadas pelo seu entusiasmo.

 

 

O Prémio Maria Barroso é uma iniciativa da Câmara Municipal de Lagoa do Algarve numa parceria com o Grupo Vila Vita, cuja designação se inspira no nome de uma mulher algarvia, portuguesa e europeia, que se distinguiu no seu tempo por uma intensa participação cívica, democrática e cultural.

O Prémio Maria Barroso pretende distinguir contributos relevantes de mulheres e de homens para a construção e valorização da igualdade, género e cidadania no mundo contemporâneo e em particular no Sul em que nos inscrevemos.

Com a atribuição deste prémio o Município de Lagoa do Algarve pretende, simultaneamente sublinhar o papel dos governos locais e de outras instituições públicas e privadas, na promoção e implementação de práticas de cidadania, de igualdade e de participação de todas e todas nos territórios e contextos em que intervêm.

O Prémio Maria Barroso será concedido, bianualmente à pessoa que durante esse período e na sequência de uma atividade anterior – tiver sido protagonista de uma intervenção particularmente relevante para a eliminação de estereótipos, para a construção social da igualdade, da cidadania e da não discriminação.

Esta intervenção a premiar pode revelar-se na forma de uma ação com grande impacto positivo e reconhecimento público, ou numa sucessão de ações que consubstancie um percurso destacado na área da não discriminação, da promoção da igualdade de género e cidadania. 

 

   
JÚRI PRÉMIO MARIA BARROSO

Francisco Martins, Presidente da Câmara Municipal de Lagoa do Algarve, na qualidade de presidente do Júri;
Manuel Cabral, Administrador do Grupo Vila Vita Parc, na qualidade de vice-presidente do Júri;
Isabel Barroso Soares, na qualidade de representante da família de Maria Barroso;
Anália Torres, professora catedrática de sociologia do ISCSP, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa e fundadora e coordenadora do CIEG, Centro Interdisciplinar de Estudos de Género;
Clara de Jesus, Consultora e perita em Igualdade de Género;
Teresa Fragoso, Presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género;
Virgínia Ferreira, doutorada em sociologia, professora auxiliar da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC), investigadora permanente do CES, Centro de Estudos Sociais e membro fundadora da Associação Portuguesa de Estudos Sobre as Mulheres.

   

 

 

 

 

Ao continuar a navegar está a concordar com a utilização de cookies neste site. Para não autorizar a sua utilização, por favor utilize as opções do seu browser e altere as definições de cookies de acordo com estas instruções.
ACEITAR NÃO